sábado, 21 de julho de 2018

10 fatos interessantes sobre os buldogues franceses!

1. Buldogues franceses têm origem inglesa
Os primeiros ancestrais dos buldogues franceses são originários de Inglaterra e não a França! Buldogues ingleses de tamanho miniatura começaram a ser reproduzidos, por volta de 1800, para serem cães de companhia. Na década de 1860, quando houve grande evasão de artesãos, da Inglaterra para a França, em função do desemprego provocado pela Revolução Industrial, os mini-buldogues ingleses foram para a França e se reproduziram com cães locais que deram a originaram os frenchies.


2. Eles são companhias perfeitas (desde que sejam educados!)
Frenchies foram criados para serem cãezinhos de companhia, em primeiro lugar. São brincalhões, engraçados, carinhosos e leais. Seus movimentos desajeitados e barulhos estranhos os tornam irresistíveis e divertidos. Eles têm um tamanho compatível com apartamentos, não latem muito, precisam de pouco exercício (pouco é diferente de nenhum, ok?) e se dão muito bem com crianças.


3. Eles são péssimos nadadores
Buldogues geralmente nadam com bastante dificuldade. Têm a cabeça e o tronco muito pesados, além de um nariz achatado que dificulta a respiração. Para eles, é difícil manter seus focinhos acima da linha de água. Mas, claro, podem haver exceções! Alguns frenchies, considerados "fora do padrão da raça", têm menos massa óssea e o focinho mais comprido, não enfrentando tantas dificuldades. 


Dwayne Johnson teve que pular na piscina para salvar seu frenchie que afundava como um tijolo. 


4.  Calor é um inimigo fatal dos buldogues franceses
Por serem cães braquicéfalicos, com focinho muito curto em relação à largura do crânio, eles têm dificuldades respiratórias naturais. Regular a temperatura corporal em clima muito quente é um grande desafio para eles! Portanto, mantenha seu frenchie em ambientes frescos e longe do sol quente. Negligenciar o calor pode culminar em um episódio, muitas vezes fatal, de hipertermia.


5. Celebridades o adoram!
Frenchies são os cães mais populares em Hollywood! Lady Gaga, Leonardo di Caprio, Hugh Jackman, Christina Ricci, Reese Witherspoon, Martha Stewart, Victoria and David Beckham são orgulhosos pais e mães de buldogues franceses.


6. A maioria não late
Mas eles sabem imitar porquinhos muito bem!


7. Eles respondem mal a treinamentos punitivos
manter um buldogue francês interessado no treinamento é uma tarefa árdua, por isso os treinos devem envolver bastante reforço positivo para atrair a atenção e facilitar o aprendizado. 


8. Eles já tiveram "orelhas caídas"
A orelha ereta só passou a ser uma característica da raça depois que os frenchies migraram para os Estados Unidos. Essa foi uma "invenção" dos criadores americanos.


Buldogue francês com "orelhas em rosa", como os primos buldogues ingleses


9. Eles são reproduzidos artificialmente
Buldogues franceses machos não devem fazer monta natural pelo risco de hipertermia. Confesso que sempre que alguém diz "meu buldogue faz monta natural" penso em 02 (duas) possibilidades: desconhecimento das limitações da raça ou avareza mesmo.


10. Os filhotes das buldogas nascem por cesariana
Atonia uterina parece ser uma mal frequente na raça. Por isso, bons criadores não colocam nunca a vida de suas cadelas em risco e sempre optam pelo parto cesáreo.







fonte :http://www.seubuldoguefrances.com.br/2016/07/10-fatos-interessantes-sobre-os.html?m=1

quarta-feira, 7 de março de 2018

segurança e comodidade

Garanta seu cãozinho com praticidade e segurança.

Aceitamos cartões de crédito e débito 💳💰

Parcelamos em até 6× o valor do seu filhote!! (21) 99732-5698 André 📲



Aceitamos  cartões

segunda-feira, 26 de fevereiro de 2018

Boston terrier- Guia da raça

Conhecido nos dias de hoje como um dos mais incríveis cães de companhia, devido principalmente ao seu temperamento e capacidade de adaptação em ambientes menores, o Boston Terrier é uma raça de origem norte-americana, resultado de cruzamentos entre o Bulldog Inglês e o extinto English White Terrier.

História da raça


Assim como acontece com tantas outras raças caninas, a origem do Boston Terrier é controversa. Enquanto uns acreditam que é, de fato, uma raça totalmente desenvolvida nos Estados Unidos, outros sustentam a teoria de que, na verdade, trata-se de uma raça criada a partir de cruzamentos entre raças europeias.
Apesar de não faltarem teorias que atribuem a criação da raça aos americanos, é quase certo que na sua formação intervieram outras raças europeias além do Bulldog, como por exemplo o Bull Terriere o Buldogue Francês. Alguns acreditam que até mesmo outras raças tomaram parte no processo de criação, como por exemplo o Boxer. Criada originalmente para combate, a raça passou a ser chamada de Boston Terrier ao final do século 19, em alusão a sua terra natal, e conquistou cada vez mais notoriedade nos Estados Unidos. Com "terrier" apenas no nome, os bostons apresentam hoje características bem mais suaves em relação aos cães de rinha do passado.
O primeiro exemplar da raça foi exibido pela primeira vez em Boston em 1870, mas somente em 1893 foi oficialmente reconhecida pelo American Kennel Club. O standard moderno, no entanto, foi modificado no início do século 20 para incluir todas as marcações características desta raça.


Descrição e Aparência da raça Boston Terrier

O aspecto geral é de um cachorro cheio de vida, de pelagem lisa, cabeça e cauda curtas, de corpo compacto e musculoso. Apresenta constituição enxuta e bom equilibrio dentro de sua estatura média. A cabeça indica um alto grau de inteligência e a expressão ideal desta inteligência também é uma importante característica da raça. A cabeça é bem proporcionada em relação ao corpo, que se apresenta um tanto curto e muito bem conformado, com membros fortes e elegantemente torneados. Quando comparados os exemplares de cada sexo, a única diferença mais evidente é um ligeiro refinamento na conformação geral da fêmea.
A cauda é curta e nenhuma forma deve estar tão acentuada que faça o cão parecer mal proporcionado. Os melhores exemplares dão a impressão de decisão, atividade e vigor físico, com maneiras de grande classe, porte simples e gracioso. Os olhos são redondos, grandes, de cor escura. As orelhas são pequenas, portadas eretas, naturais ou cortadas. As pernas são definidas um pouco afastadas, com peito amplo e pescoço ligeiramente arqueado.
Os cães da raça Boston Terrier apresentam uma pelagem curta, lisa, de textura fina e brilhante. As cores aceitas são o brindle (tigrado), preto ou seal (cor-de-foca) sendo obrigatória nesses dois últimos casos, a existência de marcações em branco no antepeito, ao redor do focinho, e entre os olhos. Uma combinação proporcionada de cor de fundo e manchas indicam particular distinção. É um cão que, em geral, não apresenta a preponderância de branco na cor da pelagem. Cor, manchas e expressão são fatores de máxima importância no aspecto geral desta linda raça de pequeno porte.
Em relação ao peso, a raça Boston Terrier é dividida em 3 classes: cães abaixo dos 6,8 kg; cães entre 6,8 até 9 kg; e cães de 9 até 10,35 kg.


Temperamento da raça Boston Terrier

Nâo é difícil descrever o temperamento dos cães desta raça. Esses cães são incrivelmente sensíveis e conectados ao dono, fazem de tudo para agradar e aprendem com facilidade. De acordo com o standard oficial da raça, o Boston Terrier é um cão afetuoso e gentil, apresenta excelente disposição e um alto grau de inteligência. É descrito pela maioria dos proprietários como um maravilhoso cão de companhia.
Além de ser considerado um cão extremamente inteligente, o Boston Terrier é afetuoso, dócil, de expressão gentil e alerta. É um cão amável, sem nenhum traço de agressividade, incapaz de reagir de maneira agressiva, mesmo quando irritado. Devido ao alto grau de inteligência, é uma raça considerada de fácil adestramento, o cão parece estar sempre em sintonia perfeita com seu dono ou adestrador durante as aulas de obediência e responde com facilidade aos comandos.
Esses pequenos e charmosos cães apresentam contudo, um temperamento forte. São alertas, decididos e entusiasmados. Se o dono não conseguir sustentar a liderança de forma adequada, o cão certamente assumirá uma posição de líder, e poderá com o tempo, se tornar teimoso e apresentar demais problemas de comportamento relacionados a falta de liderança. Os bostons precisam de um dono que saiba demonstrar autoridade, de forma firme, confiante, porém suave e sem agressividade. Os donos que não se comunicam de forma apropriada e que não sabem demonstrar liderança, não conseguem ensinar ao cão o que é certo e o que não é e, em muitos casos, os cães acabam desenvolvendo distúrbios de comportamento. Muitas vezes cães sem a lideraça adequada podem, por exemplo, se tornarem agressivos com outros cães.
Alertas e espertos, os bostons são frequemente descritos por seus proprietários como cães vigilantes e atentos aos movimentos de pessoas estranhas, mas que nunca latem insistentemente ou sem motivo aparente. Alguns dizem que seus cães sequer latem à porta, mesmo diante de qualquer movimetno atípico do lado de fora.
Muito brincalhões, porém calmos e equilibrados, os cães desta raça não são tão exigentes em relação a necessidade de exercícios. Como qualquer cachorro, costumam gostar de passear, mas requerem uma dose moderada de exercícios diários, e preferem permanecer sempre junto aos donos, o que os tornam maravilhosos companheiros. Devido ao seu caráter essencialmente calmo e amistoso, o Boston Terrier é descrito como um cão muito bom com crianças e idosos, e costumam fazer novas amizades com facilidade, mesmo com pessoas estranhas ao ambiente familiar. Também são considerados muito bons com outros animais de estimação, costumam conviver bem com seus semelhantes e até mesmo com outros pets.
Um ponto importante em relação ao Boston Terrier, é que devido ao seu focinho curto, ele pode apresentar dificuldade para respirar durante as atividades físicas, que devem ser dosadas adequadamente e evitadas quando estiver muito calor. Lembre-se que essa é uma raça que não deve ser estimulada em excesso, o ideal é que as doses de exercícios sejam moderadas. As brincadeiras ao ar livre podem ser estimuladas, desde que supervisionadas, e os passeios de coleira devem ser preferencialmente curtos.